Anônimos entregaram que jornais brasileiros não praticam as leis trabalhistas que defendem – politicas.info
Comunicação

Anônimos entregaram que jornais brasileiros não praticam as leis trabalhistas que defendem

Os próprios jornalistas confirmam que seus veículos não fazem o que defendem em suas pautas

Foto: Jon S

Um formulário do Google Docs acessível a qualquer um, com algumas perguntas, nenhuma delas buscando nomes ou formas de contato. E um link para o acompanhamento das respostas. O formato é ideal para desabafos. Num primeiro experimento, publicitários comentaram a rotina de trabalho enfrentadas em suas agências. Dias depois, em agosto de 2016, as principais redações do país viraram o alvo.

Há bastante reclamação quanto à estrutura dos principais jornais do Brasil. “Paga mal e banheiro fede amônia de 100 anos de mijo velho seco“, diz um deles. “O fretado fede escrotamente e a comida é lavagem“, diz outro. “A oitava praga do Egito“, lamenta um funcionário de um grupo religioso. “O café é a coisa mais horrorosa que meus lábios já sentiram“, conclui um outro anônimo.

Exageros de lado, sobram denúncias sérias que escancaram a hipocrisia de publicações que vivem a martelar pautas contrárias às próprias práticas. Respeito à CLT é exceção. Em alguns casos, motivo para promoção. Há quem chegue a falar em “trabalho escravo”. Exagero, claro. Mas o assédio moral é uma constante. Até mesmo o assédio sexual é bastante citado. Tudo acobertado por RHs coniventes.

A interferência política também está lá. Numa publicação, o capslock é ativado para se confirmar que todos os funcionários são de esquerda. Noutra, que profissionais com visão política destoante do viés esquerdista do veículo passam sufoco. Num terceiro caso, diz-se que o conchavo político rola solto, e é fácil acreditar, pois se trata de uma redação que até visita da Polícia Federal andou recebendo. Um quarto gigante das notícias, por exemplo, adora receber políticos fora da agenda.

Mas salta aos olhos a incoerência dos próprios denunciantes. Ao reclamarem do descumprimento da lei por seus patrões, só o fazem por intermédio do anonimato, algo vedado na mesma Constituição que garante liberdade de expressão ao povo brasileiro. Postura que se faz ainda mais merecedora de críticas ao se confirmar que são justo estes os profissionais que dominam as ferramentas de comunicação mais poderosas do país.

Não à toa, o jornalismo brasileiro permanece no sufoco. E levando seguidas surras de amadores na web.

Clique para comentar

Envie-nos uma pauta, esclareça sua dúvida ou corrija/acrescente informações:

Para o Início