Dilma Rousseff e Mônica Moura comunicaram-se por uma tática comum entre terroristas – politicas.info
Brasil

Dilma Rousseff e Mônica Moura comunicaram-se por uma tática comum entre terroristas

Dilma Rousseff

Mensagens cifradas e rascunhos de emails foram recursos explorados pelos terroristas do 11 de Setembro

Screenshot: YouTube

Com o sigilo da delação de Mônica Moura e João Santana caindo, o Brasil finalmente conheceu a forma como os estrategistas das campanhas petistas foram alertados dos avanços da operação Lava Jato. Pior: as informações vazavam pela própria presidente da República. De acordo com os delatores, Dilma Rousseff usava os rascunhos de uma conta de email para passar mensagens que jamais seriam enviadas. Com a senha compartilhada, na esperança de não deixarem rastros, as partes envolvidas liam os textos e os apagavam. Tudo era feito por intermédio de uma linguagem cifrada, que substituía os personagens e situações por metáforas e analogias.

Em 2013, a BBC publicou uma matéria detalhando como terroristas se comunicavam em todo o mundo. Nela, é listado o “dead drop digital“, estratégia na qual os envolvidos escrevem rascunhos de emails sem jamais enviá-los. O texto, inclusive, lembra que o 11 de Setembro se concretizou por intermédio de mensagens cifradas. World Trade Center, por exemplo, aparece nas conversas como “arquitetura”.

Hoje, com os avanços da informática, uma forma de dead drop digital é escrever uma mensagem por e-mail e não apertar enviar, e a mensagem será armazenada na pasta de rascunhos. O destinatário, que recebeu o login e a senha para aquela determinada conta de e-mail, pode ver a mensagem e se necessário responder.

E-mail e mensagem de texto. Terroristas cautelosos tendem a se comunicar em código ou usar metáforas quando se discute metas, sabendo que eles podem ser interceptados. Por exemplo, dois dos organizadores dos ataques de 11 de setembro, Mohammed Atta e Ramzi Binalshibh, referiram-se ao World Trade Center como “arquitetura”, ao Pentágono como “artes” e a Casa Branca como “política”.

Curiosamente, a ideia não partiu de Dilma Rousseff, que tem no passado atos terroristas contra a ditadura brasileira. Mas da publicitária. O que só deixa a história ainda mais sinistra.

Fonte: BBC

Clique para comentar

Envie-nos uma pauta, esclareça sua dúvida ou corrija/acrescente informações:

Mais Lidas

Liberdade, Capitalismo & Democracia.

Copyright © 2015 - ÁpyusCom

Para o Início