A adesão ao proselitismo esquerdista conseguiu derrubar até as vendas da Marvel – politicas.info
Arte

A adesão ao proselitismo esquerdista conseguiu derrubar até as vendas da Marvel

Marvel Comics

A exemplo da Amazon no Brasil, a Marvel foi mais uma vítima do “marketing do lacre”

Foto: Fernando Ribas

Em 2016, a Marvel emplacou emplacou um gigantesco número de manchetes nas quais anunciava ao mundo que seus principais heróis estavam se adequando ao discurso politicamente correto. Sem esconder o esquerdismo, o jornalismo embarcou tanto na onda que batizou o momento de “era da diversidade étnica”. Passados alguns meses, contudo, o custo de politizar algumas das principais marcas da editora chegou. E ele veio salgado.

Segundo levantamento dos gibis mais vendidos da Diamond Comics, desde de meados de 2016, a Marvel tem sido mensalmente derrotada pela DC Comics, a principal rival, que decidira voltar ao básico e entregar as histórias de seus heróis nos formatos mais clássicos. Trata-se de um resultado inesperado, afinal, no cinema ou na TV, os projetos da primeira possuem hoje um apelo popular mais amplo. Mas, nestes segmentos, os personagens de ambas editoras ainda são caracterizados nas formas mais tradicionais.

Na tentativa de entender o que aconteceu, sem conseguir esconder a negação, a derrotada vem atribuindo a queda nas vendas ao preconceito para com tamanha variedade. Mas só porque não percebeu que o mundo está extremamente cansado da politização de basicamente tudo. E que os projetos recentes de maiores sucesso são justo os que evitam misturar entretenimento com horário eleitoral.

No Brasil, a vítima mais recente do “marketing do lacre”, aquela iniciativa publicitária que busca se alinhar a militâncias de esquerda, foi a Amazon, que provocou João Doria, mas recebeu um troco muito mais pesado.

Fonte: Omelete

Clique para comentar

Envie-nos uma pauta, esclareça sua dúvida ou corrija/acrescente informações:

Últimas Notícias

Liberdade, Capitalismo & Democracia.

Copyright © 2015 - ÁpyusCom

Para o Início